Josemaría Escrivá Obras
677

O Senhor semeou na tua alma boa semente. E serviu-se, para essa sementeira de vida eterna, do meio poderoso da oração; porque não podes negar que muitas vezes, estando diante do Sacrário, face a face, Ele te fez ouvir - no fundo da alma - que te queria para Si, que tinhas de deixar tudo... Se agora o negas, és um miserável traidor; e, se o esqueceste, és um ingrato.

Valeu-se também (não o duvides, como não duvidaste até agora) dos conselhos ou das insinuações sobrenaturais do teu Director, que te repetiu insistentemente palavras que não deves passar por alto; e valeu-se no princípio, além disso - sempre para depositar a boa semente na tua alma -, daquele teu amigo honrado, sincero, que te disse verdades fortes, cheias de amor de Deus.

Mas, com ingénua surpresa, descobriste que o inimigo semeou cizânia na tua alma. E que continua a semeá-la, enquanto tu dormes comodamente e afrouxas na tua vida interior. - Esta e não outra é a razão por que encontras na tua alma plantas pegajosas, mundanas, que em certas ocasiões parece que vão abafar o grão de trigo bom que recebeste...

Arranca-as de vez! Basta-te a graça de Deus. Não receies que elas deixem ficar um buraco, uma ferida... O Senhor lançará aí nova semente sua: amor de Deus, caridade fraterna, ânsias de apostolado... E, passado tempo, não ficará nem o mais leve rasto de cizânia, se agora, que estás a tempo, a arrancares de raiz; e, melhor ainda, se não dormires e vigiares de noite o teu campo.

Anterior Ver capítulo Seguinte