Josemaría Escrivá Obras
168

Há uma única doença mortal, um único erro funesto: conformar-se com a derrota, não saber lutar com espírito de filhos de Deus. Se faltar esse esforço pessoal, a alma paralisa-se e jaz sozinha, incapaz de dar fruto.

Com essa cobardia, a criatura obriga Nosso Senhor a pronunciar as palavras que Ele ouviu ao paralítico, na piscina probática: "Hominem non habeo!". - Não tenho homem!

Que vergonha se Jesus não encontrasse em ti o homem, a mulher que espera!

Anterior Ver capítulo Seguinte