Josemaría Escrivá Obras
216

Com a graça de Deus, hás-de acometer e realizar o impossível..., porque o possível qualquer um o faz.


217

Rejeita o teu pessimismo e não consintas pessimistas a teu lado. É preciso servir a Deus com alegria e com abandono.


218

Afasta de ti essa prudência humana que te faz tão precavido, perdoa-me!, tão cobarde.

- Não sejamos pessoas de via estreita, homens ou mulheres menores de idade, de vistas curtas, sem horizonte sobrenatural...! Porventura trabalhamos para nós? Não!

Pois, então, digamos sem medo: - Jesus da minha alma, trabalhamos para Ti, e... vais negar--nos os meios materiais? Bem conheces como somos ruins; contudo eu não me conduziria assim com um criado que me servisse...

Por isso esperamos, temos a certeza que nos darás o necessário para te servir.


219

Acto de fé: nada se pode contra Ele! Nem contra os seus!

- Não te esqueças disto.


220

Não desanimes, para a frente!, para a frente com uma teimosia que é santa e que se chama, no terreno espiritual, perseverança.


221

- Meu Deus: acodes sempre às necessidades verdadeiras.


222

Não estás pior. O que acontece é que agora tens mais luzes para te conheceres: evita até o mais pequeno assomo de desânimo!


223

No caminho da santificação pessoal, pode, às vezes, ter-se a impressão que, em vez de avançar, se retrocede; que, em vez de melhorar, se piora.

Enquanto houver luta interior, esse pensamento pessimista é apenas uma ilusão, um engano que convém repelir.

Persevera com tranquilidade: se lutas com tenacidade, progrides no teu caminho e santificas-te.


224

Secura interior não é tibieza. No tíbio, a água da graça não penetra, resvala... Pelo contrário, há sequeiros, aparentemente áridos, que, com poucas gotas de chuva, se enchem a seu tempo de flores e de frutos saborosos.

Por isso, quando nos convenceremos da importância da docilidade aos chamamentos divinos de cada instante, porque Deus nos espera precisamente aí?!


225

Tem esperteza santa: não aguardes que Nosso Senhor te envie contrariedades; adianta-te, tu, com a expiação voluntária. Então não as acolherás com resignação - que é palavra velha -, mas com Amor: palavra eternamente jovem.


226

Hoje, pela primeira vez, tiveste a sensação de que tudo se torna mais simples, de que tudo se "descomplica": vês, finalmente, eliminados problemas que te preocupavam. E compreendes que estarão mais e melhor resolvidos, quanto mais te abandonares nos braços do teu Pai Deus.

- Por que esperas para te conduzir sempre - este tem de ser o motivo do teu viver! - como um filho de Deus?


227

Dirige-te a Nossa Senhora - Mãe, Filha, Esposa de Deus, nossa Mãe - e pede-lhe que te obtenha da Trindade Santíssima mais graças: a graça da fé, da esperança, do amor, da contrição, para que, quando na vida parecer que sopra um vento forte, seco, capaz de murchar essas flores da alma, não murche as tuas... nem as dos teus irmãos.


228

Enche-te de fé, de segurança! Diz-nos Nosso Senhor pela boca de Jeremias: "Orabitis me, et ego exaudiam vos". Sempre que recorrerdes a Mim, sempre que fizerdes oração!, Eu escutar-vos-ei.


229

Refiro tudo a Ti, meu Deus. Sem Ti - que és meu Pai -, que seria de mim?


230

Deixa-me dar-te um conselho de alma experiente: a tua oração - a tua vida tem de ser orar sempre - deve ter a confiança da "oração de uma criança".


231

Apresentam um doente a Jesus, e Ele olha-o. Contempla bem a cena e medita nas suas palavras: "Confide, fili". - Tem confiança, filho.

Isso diz-to o Senhor, quando sentes o peso dos teus erros: fé! A fé é a primeira coisa; depois, deixar-se levar como o paralítico: obediência interior e submissa!


232

- Filho, com as tuas próprias forças, não podes nada no terreno sobrenatural; mas, sendo instrumento de Deus, poderás tudo!: "omnia possum in eo qui me confortat!", tudo posso naquele que me confronta!, pois Ele quer, pela sua bondade, utilizar instrumentos ineptos, como tu e como eu.


233

Sempre que fizeres oração, esforça-te por ter a fé dos doentes do Evangelho. Deves ter a certeza de que Jesus te escuta.


234

- Minha Mãe! As mães da terra olham com maior predilecção para o filho mais débil, o mais doente, o menos esperto, o pobre defeituoso...

Senhora!, eu sei que tu és mais Mãe que todas as mães juntas... E como sou teu filho... E como sou débil, e doente..., e defeituoso..., e feio...


235

Falta-nos fé. No dia em que vivermos esta virtude - confiando em Deus e na sua Mãe -, seremos valentes e leais. Deus, que é o Deus de sempre, fará milagres pelas nossas mãos.

- Dá-me, ó Jesus, essa fé que de verdade desejo! Minha Mãe e Senhora minha, Maria Santíssima, faz com que eu creia!


236

Uma firme resolução: abandonar-me em Jesus Cristo, com todas as minhas misérias. E o que Ele quiser, em cada instante, "fiat", faça-se!


237

Nunca desanimes, porque Nosso Senhor está sempre disposto a dar-te a graça necessária para essa nova conversão que necessitas, para essa ascensão no terreno sobrenatural.


238

- Bendito seja Deus! - dizias depois de acabar a tua Confissão sacramental. E pensavas: é como se voltasse a nascer.

Depois, prosseguiste com serenidade: "Domine, quid me vis facere?". - Senhor, que queres que faça?

E deste a resposta tu próprio: - Com a tua Graça, por cima de tudo e de todos, cumprirei a tua Santíssima Vontade: "serviam!", servir-te-ei sem condições!


239

Narra o Evangelista que os Magos, "videntes stellam", ao verem de novo a estrela, se encheram de uma grande alegria.

- Alegram-se, filho, com esse gozo imenso, porque fizeram o que deviam; e alegram-se porque têm a certeza de que chegarão até ao Rei, que nunca abandona aqueles que o procuram.


240

Quando amares de verdade a Vontade de Deus, não deixarás de ver, mesmo nos momentos de maior trepidação, que o nosso Pai do Céu está sempre perto, muito perto, ao teu lado, com o seu Amor eterno, com o seu carinho infinito.


241

Se o panorama da tua vida interior, da tua alma, está escuro, deixa-te conduzir pela mão, como faz o cego.

Nosso Senhor, com o tempo, premeia essa humilhação de render a cabeça, dando nova luz.


242

Ter medo de alguma coisa ou de alguém, mas especialmente de quem dirige a nossa alma, é impróprio de um filho de Deus.


243

- Não te comove ouvir uma palavra de afecto para com a tua mãe?

Pois a Nosso Senhor acontece o mesmo. Não podemos separar Jesus de sua Mãe.


244

Em momentos de esgotamento, de fastio, recorre confiadamente ao Senhor, dizendo-lhe como aquele nosso amigo: "Jesus, vê lá o que fazes...: antes de começar a luta, já estou cansado".

Ele te dará a sua força.


245

Se não houver dificuldades, as tarefas não têm graça humana... nem sobrenatural. Se, ao pregar um prego na parede, não encontrares resistência, o que é que nele poderás pendurar?


246

Parece mentira que um homem como tu - que dizes saber-te nada - se atreva a pôr obstáculos à graça de Deus.

É isso que fazes com a tua falsa humildade, com a tua "objectividade", com o teu pessimismo.


247

- Dá-me a tua graça para deixar tudo o que se refere à minha pessoa. Não devo ter mais preocupações que a tua Glória..., numa palavra, o teu Amor. Tudo por Amor!


248

"Ouvindo isto - que o Rei tinha vindo à terra -, Herodes perturbou-se e com ele toda a Jerusalém".

É a vida quotidiana! O mesmo acontece agora: ante a grandeza de Deus, que se manifesta de mil maneiras, não faltam pessoas - mesmo com autoridade - que se perturbam. Porque... não amam a Deus totalmente; porque não são pessoas que verdadeiramente desejem encontrá-lo; porque não querem seguir as suas inspirações e tornam-se obstáculo ao caminho divino.

Está prevenido, continua a trabalhar, não te preocupes, procura o Senhor, reza... e Ele triunfará.


249

Não estás sozinho. Nem tu nem eu podemos encontrar-nos sozinhos. E, menos ainda, se vamos a Jesus por Maria, pois é uma Mãe que nunca nos abandona.


250

Quando te parecer que o Senhor te abandona, não te entristeças: procura-o com mais empenho! Ele, o Amor, não te deixa sozinho.

Persuade-te de que "te deixa só" por Amor, para que vejas com clareza na tua vida o que é seu e o que é teu.


251

Dizias-me: "Vejo-me não só incapaz de ir para a frente no caminho, mas também incapaz de salvar-me - minha pobre alma! -, sem um milagre da graça. Estou frio e - pior - indiferente: como se fosse um espectador do "meu caso", a quem não importasse o que contempla. Serão estéreis estes dias?

E, contudo, a minha Mãe é minha Mãe e Jesus é - atrevo-me? - o meu Jesus! E há almas santas, agora mesmo a pedir por mim".

- Continua a andar pela mão da tua Mãe - repliquei-te - e "atreve-te" a dizer a Jesus que Ele é teu. Pela sua bondade, Ele porá luzes claras na tua alma.


252

- Dá-me, Jesus, Cruz sem cireneus. Digo mal: a tua graça, a tua ajuda faz-me falta, como para tudo; sê Tu o meu Cireneu. Contigo, meu Deus, não há provação que me assuste...

- Mas, e se a Cruz fosse o tédio, a tristeza? Digo-te, Senhor, que, Contigo, estaria alegremente triste.


253

- Não te perdendo a Ti, não haverá para mim pena que o seja.


254

Jesus não nega a ninguém a sua palavra, e é uma palavra que sara, que consola, que ilumina.

- Recordemo-lo sempre, tu e eu, também quando nos encontrarmos fatigados pelo peso do trabalho ou da contradição.


255

Não esperes o aplauso das pessoas pelo teu trabalho.

Mais!: não esperes sequer, às vezes, que te compreendam outras pessoas e instituições que também trabalham por Cristo.

Procura somente a glória de Deus e, amando a todos, não te preocupes se alguns não te entendem.


256

Se há montanhas, obstáculos, incompreensões, embrulhadas, que satanás quer e Nosso Senhor permite, hás-de ter fé, fé com obras, fé com sacrifício, fé com humildade.


257

Ante a aparente esterilidade do apostolado, assaltam-te as cristas de uma onda de desalento, que a tua fé repele com firmeza... Mas reparas que necessitas de mais fé, humilde, viva e operativa.

- Tu, que desejas a salvação das almas, grita como o pai daquele rapaz doente, possesso: "Domine, adiuva incredulitatem meam!" - Senhor, ajuda a minha incredulidade!

Não duvides: o milagre repetir-se-á.


258

Que bonita oração, para repetires com frequência, a daquele amigo que pedia por um sacerdote preso por ódio à religião: "Meu Deus, consola-o, porque sofre perseguição por Ti. Quantos sofrem, porque te servem!".

Que alegria dá a Comunhão dos Santos!


259

Essas medidas que alguns governos tomam para assegurarem a morte da fé nos seus países, recordam-me os selos do Sinédrio no Sepulcro de Jesus.

Ele, que não estava sujeito a nada nem a ninguém, apesar desses entraves, ressuscitou!


260

A solução é amar. O Apóstolo S. João escreve umas palavras que me dizem muito: "qui autem timet, non est perfectus in caritate". Traduzo-o assim, quase literalmente: quem tem medo, não sabe amar.

- Portanto, tu, que tens amor e sabes querer, não podes ter medo de nada! Para a frente!


261

Deus está contigo. Na tua alma em graça habita a Santíssima Trindade.

- Por isso, tu, apesar das tuas misérias, podes e deves estar em contínuo diálogo com Nosso Senhor.


262

Hás-de orar sempre, sempre.

Hás-de sentir a necessidade de recorrer a Deus, depois de cada êxito e de cada fracasso na vida interior.


263

Que a tua oração seja sempre um sincero e real acto de adoração a Deus.


264

Ao trazer-te à Igreja, Nosso Senhor pôs-te na alma um selo indelével, por meio do baptismo: és filho de Deus. Não o esqueças!


265

Dá muitas graças a Jesus, porque por Ele, com Ele e n'Ele, tu podes chamar-te filho de Deus.


266

Se nos sentimos filhos predilectos do nosso Pai dos Céus - é o que somos! -, como é que não estamos sempre alegres? Pensa bem nisto.


267

Quando dava a Sagrada Comunhão, aquele sacerdote tinha vontade de gritar: aí te entrego a Felicidade!


268

Agiganta a tua fé na Sagrada Eucaristia. Pasma ante essa realidade inefável!: temos Deus connosco, podemos recebê-lo cada dia e, se quisermos, falamos intimamente com Ele, como se fala com o amigo, como se fala com o irmão, como se fala com o pai, como se fala com o Amor.


269

Que bonita é a nossa vocação de cristãos - de filhos de Deus! -, que nos dá na terra a alegria e a paz que o mundo não pode dar!


270

- Dá-me, Senhor, o amor com que queres que te ame.


271

Naquela manhã, para superar a sombra do pessimismo que te assaltava, também insististe, como fazes diariamente..., mas "meteste-te" mais com o teu Anjo. Lançaste-lhe "piropos" e disseste-lhe que te ensinasse a amar Jesus, pelo menos, pelo menos, como ele o ama... E ficaste tranquilo.


272

Pede à tua Mãe Maria, a S. José, ao teu Anjo da Guarda..., que falem a Nosso Senhor, dizendo-lhe o que tu, pela tua falta de jeito, não sabes exprimir.


273

Enche-te de segurança: nós temos por Mãe a Mãe de Deus, a Santíssima Virgem Maria, Rainha do Céu e do Mundo.


274

Jesus nasceu numa gruta em Belém, diz a Escritura, "porque não havia lugar para eles na estalagem".

Não me afasto da verdade teológica, se te disser que Jesus ainda está à procura de pousada no teu coração.


275

O Nosso Senhor está na Cruz, dizendo: - Eu padeço para que os homens meus irmãos sejam felizes, não só no Céu, mas também, na medida do possível, na terra, se acatarem a Santíssima Vontade do meu Pai celestial.


276

É verdade que nada podes acrescentar pelo teu lado, é Deus quem faz tudo na tua alma.

Mas que não seja assim, do ponto de vista da tua correspondência.


277

Exercita-te na virtude da esperança, perseverando - por Deus e ainda que te custe - no teu trabalho bem acabado, com a convicção que o teu esforço não é inútil ante Nosso Senhor.


278

Quando na tua luta diária, composta normalmente por muitos poucos, há desejos e realidades de agradar a Deus continuamente, asseguro-te: nada se perde!


279

Pensa, porque é assim: que bom é Nosso Senhor que me procurou, que me fez conhecer este caminho santo para ser eficaz, para amar as criaturas todas e dar-lhes a paz e a alegria!

Este pensamento deve concretizar-se imediatamente em propósitos.


280

Sabes que não há-de faltar-te a graça de Deus, porque te escolheu desde a eternidade. E, se te tratou assim, há-de conceder todos os auxílios para seres fiel como filho.

Caminha, pois, com segurança e com correspondência actual.


281

Peço à Mãe de Deus que saiba, que queira sorrir-nos... e sorrirá.

E, além disso, premiará a nossa generosidade na terra a mil por um: a mil por um, lhe peço!


282

Pratica uma caridade alegre, doce e vigorosa, humana e sobrenatural; caridade afectuosa que saiba acolher todos com um sincero sorriso habitual; que saiba compreender as ideias e os sentimentos dos outros.

Assim, suave e fortemente, sem ceder na conduta pessoal nem na doutrina, a caridade de Cristo, bem vivida, dar-te-á o espírito de conquista: terás cada dia mais fome de trabalho pelas almas.


283

Filho, - dizia-te convencido: não se me ocultam os "obstáculos" que encontraremos, para pegar a nossa "loucura" a outros apóstolos. Alguns deles poderão parecer insuperáveis..., mas "inter medium montium pertransibunt aquae", as águas passarão através das montanhas: o espírito sobrenatural e o ímpeto do nosso zelo perfurarão os montes, e superaremos esses obstáculos.


284

"Meu Deus, meu Deus! Todos igualmente queridos, por Ti, em Ti e Contigo: e, agora, todos dispersos" - queixavas-te, ao ver-te de novo sozinho e sem meios humanos.

Mas, imediatamente, Nosso Senhor pôs na tua alma a segurança de que Ele resolveria tudo. E disseste-lhe: - Tu arranjarás as coisas!

Efectivamente, o Senhor dispôs tudo antes, mais e melhor do que tu esperavas.


285

É justo que o Pai e o Filho e o Espírito Santo coroem a Virgem como Rainha e Senhora de toda a criação.

Aproveita-te desse poder! e, com atrevimento filial, une-te a essa festa do Céu. Eu coroo a Mãe de Deus e minha Mãe com as minhas misérias purificadas, porque não tenho pedras preciosas nem virtudes.

- Ânimo!


Anterior Seguinte