Josemaría Escrivá Obras
148

Porquê debruçares-te a beber nos charcos dos gozos mundanos, se podes saciar a tua sede em águas que brotam para a vida eterna?

Anterior Ver capítulo Seguinte