Josemaría Escrivá Obras
139

Poderia continuar a assinalar-te uma quantidade de pormenores - citei-te apenas os que agora me vieram à cabeça - que podes aproveitar ao longo do dia, para te aproximares mais de Deus e mais do teu próximo. Se te mencionei esses exemplos, insisto, não é porque despreze as grandes penitências; pelo contrário, mostram-se santas e boas, e até necessárias, quando o Senhor chama por esse caminho, contando sempre com a aprovação de quem dirige a tua alma. Mas advirto-te que as grandes penitências são compatíveis também com as quedas espalhafatosas, provocadas pela soberba. Em contrapartida, com esse desejo contínuo de agradar a Deus nas pequenas batalhas pessoais - como sorrir quando não se tem vontade: asseguro-vos, aliás, que em certas ocasiões torna-se mais custoso um sorriso do que uma hora de cilício - é difícil alimentar o orgulho, a ridícula ingenuidade de nos considerarmos heróis notáveis: ver-nos-emos como uma criança que apenas consegue oferecer ninharias ao seu pai, que as recebe, no entanto, com imensa alegria.

Então, um cristão há-de ser sempre mortificado? Sim, mas por amor. Porque este tesouro da nossa vocação levamo-lo em vasos de barro, para que se veja bem que esse extraordinário poder vem de Deus e não de nós. Em tudo sofremos tribulação, mas não somos oprimidos; somos cercados de dificuldades, mas não desesperamos; somos perseguidos, mas não desamparados; somos abatidos, mas não perecemos, trazendo sempre em nosso corpo os traços da morte de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste nos nossos corpos.

Anterior Ver capítulo Seguinte